Terça-feira, 23 de Julho de 2024 Fazer o Login

Público aprova nova “Avenida do Samba”

qui, 6 de março de 2014 04:00
Organização e novo espaço agradaram à maioria dos presentes. Foto: Divulgação

Organização e novo espaço agradaram à maioria dos presentes. Foto: Divulgação

DA REDAÇÃO – O bom tempo colaborou e o público lotou a avenida para prestigiar o carnaval de Uberlândia, na noite do desfile das escolas e blocos de samba. O novo endereço do desfile foi aprovado pela maioria dos presentes e, em especial, pelas escolas, que tiveram mais espaço para se prepararem e apresentarem suas coreografias. Com o tema “Diversidade para Brindar a Igualdade”, a festa de Momo reuniu, segundo a Polícia Militar, cerca de oito mil pessoas. A Secretaria Municipal de Cultura buscou atender a todas as necessidades do público e dos organizadores.

Casais, adolescentes, crianças e famílias marcaram presença e vibraram com a passagem dos três blocos e das quatro escolas de samba. A cada bloco e escola que era anunciado, os fãs já se preparavam para dançar e cantar o enredo. Patrícia Santos Silva, 33 anos, mora no Jardim Brasília e chegou cedo. Ela e o marido Luismar Nascimento optaram por chegar mais cedo, conseguir um bom lugar e não perder nenhum detalhe da festa. “Adorei tudo, mas senti grande emoção com o bloco Oriodara que trouxe, na última ala, pessoas com deficiência esbanjando alegria”, disse Patrícia. Ela ressaltou ainda que o sucesso do evento serve de alerta para todo mundo que só vive reclamando.

Do outro lado das arquibancadas, em clima de carnaval, estava, sorridente, Maria de Fátima Oliveira, 58 anos, moradora no bairro Aurora. Animada e sambando ela afirmou que a festa estava muito boa, organizada e com segurança. “Estou muito tranqüila e me sentindo bem melhor aqui nessa avenida do que lá na Monsenhor Eduardo. O espaço é melhor, maior e a gente não perturba ninguém”, explicou. Otacílio Rodrigues de Oliveira, 58 anos, esposo de Fátima também participou da conversa e disse que apesar de ter sido a primeira vez que assiste de perto o desfile, gostou muito. “Senti muita dedicação dos componentes na avenida, muita garra e força do trabalho em conjunto”.

A cada bloco, a cada escola que entrava na Passarela do Samba, uma emoção, uma energia, incendiava os torcedores e despertava emoções diferenciadas. Quando a escola de samba Tabajara foi anunciada e começou a ganhar a avenida, boa parte da arquibancada reagiu com palmas e gritos de que seria a vencedora. De forma intensa, as cenas se repetiram com a chegada da Garotos do Samba e do bloco Aché.

Maria Aparecida de Sousa, 53 anos, residente no bairro Santa Mônica, comentou sobre a organização de algumas diretorias e da Prefeitura de Uberlândia. Ela disse que mudar o local do desfile foi a melhor opção. “Por ser o primeiro ano acredito que algumas pessoas vão reclamar, mas é normal. Aqui tem mais espaço e não fica aquele trança-trança na avenida. Tudo ficou bem prático para nós”, ressaltou. Célia Cristina Silva, 43, mora no bairro Granada e também elogiou muito toda a estrutura, as escolas de samba e os blocos, mas na hora de optar, ela ficou dividida. “Achei o desfile da Tabajara fantástico, lindo, mas sou Chatão de coração”, destacou.

O prefeito Gilmar Machado percorreu a avenida pelos dois lados e conversou com muitos foliões e familiares. Houve muitos elogios à Administração pela mudança de local do carnaval. Euripa Rosalina da Silva veio do bairro Tocantins com toda a família para apreciar e curtir a mais popular festa do ano e não perdeu nenhum detalhe. Quando o prefeito passou por ela, Rosalina disse que teve muita vontade de falar sobre a mudança do “sambódramo”, mas não teve oportunidade. Entretanto, ela aproveitou e disse que o local ficou melhor, inclusive na questão de segurança.

De acordo com o comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar, Ten. Cel Wesley Barbosa, duas pessoas foram conduzidas até a delegacia suspeitas de uso de drogas, mas tudo transcorreu dentro da normalidade. Quanto ao novo local, o comandante ressaltou as melhorias em vários aspectos. “Não tivemos que interditar o trânsito, fechar vias. Facilitou muito o policiamento como um todo. Deixa de incomodar moradores e comerciantes ao entorno. O trabalho interno e externo da PM ficou mais rápido e prático,” explicou.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: