Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2024 Fazer o Login

Estrada sem limites: quando a fé e o esporte se unem contra qualquer diagnóstico

ter, 22 de julho de 2014 14:31
Abertura Ficha Técnica
“Com meu filho nos braços, olhando em seus olhos, tivemos uma conversa séria. Ele estava com dois anos e fizemos um trato. Pedro iria querer viver bem, acordar e dormir sorrindo, com uma vida normal. Choramos e dormimos abraçados. Cada dia é uma luta. Quando ninguém dava nada por ele, o mostrava no espelho e dizia que via alguém inteligente, valente e vencedor”.
Karolina Cordeiro Alvarenga
Mãe e filho desafiam os limites e são exemplos de superação em corridas. Foto: Divulgação
Mãe e filho desafiam os limites e são exemplos de superação em corridas. Foto: Divulgação

No livro “Devoção – Ele acreditou que seria capaz e por seu filho, superou seus próprios limites”, Dick Hoyt traduz em 207 páginas como foi abdicar de conselhos médicos para que sua criança, com tetraplegia, pudesse ter uma vida normal na escola. Publicado em 2010, a obra inspirou famílias em diversos cantos do mundo, uma delas atende pelo nome de Cordeiro Alvarenga.

Sob os olhares de alguém que entendia cada testemunho ou sentença descrita no livro, a geógrafa uberlandense Karolina Cordeiro se apoiou em algo que lhe acompanhava em cada canto de sua casa. Dos olhos de seu filho, Pedro Cordeiro Alvarenga, uma mistura de força e fé abria as portas para um novo caminho.

O depoimento que inaugura esta coluna é datado há seis anos, no retorno de uma viagem para os Estados Unidos. Pedro era um dos pouco mais de 80 casos no mundo com uma síndrome rara, que limita a fala e os movimentos. Sem sequer falar inglês, Karolina conseguiu o contato de um especialista britânico, que inseriu a criança nas pesquisas e descartou a possibilidade de morte, contestando um prazo de vida de dois anos proferido anteriormente.

Das páginas do livro, a geógrafa viu os capítulos de uma nova história. Começou a participar de corridas e com uma cadeira de rodas adaptada, levou seu filho de oito anos para cada competição. Até então, foram mais de 30 participações.

“A inclusão social através do esporte se deu naturalmente. O movimento, o vento proporciona prazeres inenarráveis para o Pedro. Ele tem consciência de sua felicidade, e transmitir força, paz e luz aos outros é a nossa missão. A dor vai se transformando com o suor, e cada passo é para um futuro bom. Palavras que não conhecia como acessibilidade, inclusão, deficiência e terapias passaram a ser minha ideologia”, diz.

Profissional, mulher e mãe de três filhos, Karolina Cordeiro coleciona desafios, mas não cansa de ultrapassar novos limites. Neste domingo, 27, data do seu aniversário, ela e Pedro serão dois dos 600 participantes da Corrida Mauá, em Araguari. Quando os olhares de cada participante se voltarem para mais uma largada, dos olhos da dupla se esconderão os verdadeiros campeões.

3 Comentários

  1. Diógenes Pereira da Silva disse:

    Tive a grata satisfação de conhecer à incansável Karolina Cordeiro e seu ilustre filho Pedro. Realmente eles são um exemplo de vida e de luta a ser seguido.
    Parabéns !!!!Força e Fé.

  2. karolina cordeiro disse:

    Ola diogenes, muito obrigada pelas palvavras.
    abracos.

  3. Camila disse:

    Lindos, os acompanho sempre!!!

Deixe seu comentário: