Quinta-feira, 29 de Fevereiro de 2024 Fazer o Login

Coluna: Neuropsi (09/12)

qui, 9 de dezembro de 2021 09:40

1-O que é Natal Fobia ?

Você conhece alguém que não gosta do natal, com certeza. Não importa qual seja o motivo da pessoa, isso é normal. Mas algumas pessoas sofrem muito nessa época, por terem fobias relacionadas ao natal e alguns até chegam a odiá-lo, mas a data é sofrida para os que sofrem do que chama de natal fobia, que é o medo irracional do natal. Isso, dependendo do caso, pode abranger tudo que se relaciona ao tema e não necessariamente apenas a festividade em si.

A pessoa pode ficar ansiosa ao ver decorações de natal, ouvir músicas natalinas,ao ver árvores de natal ou luzes cintilantes ver comerciais, filmes ou séries com tema do natal e até conforme a data se aproxima.

As vezes podem mesmo ficarem apavoradas ao visualizarem a presença de pessoas de barbas brancas ou roupa vermelha.

É claro que existem casos leves, em que a pessoa apenas fica ansiosa (mais do que o normal, é claro, pois estamos falando de uma fobia) e casos mais graves, e mais raros, que a pessoa realmente sofre com a data, podendo chegar a ter ataques de pânico. Lembrando que essas fobias não atingem apenas crianças, mas pessoas de qualquer idade.

 

2-Quais são os “natalofóbicos clássicos” ?

Festas de fim de ano não são épocas fáceis para ninguém, mas constatamos que a maior parte das depressões natalinas vem de desacertos quanto ao lugar da família. Os natalofóbicos clássicos são os de pais separados, solteiros contumazes ou de quem a opção sexual não faz formar família nos moldes convencionais. A cena natalina, na sua tradição, pede criancinhas e o compromisso de “crescei e multiplicai-vos”.

 

3-Quais são causas das fobias de natal?Como este tipo de fobias ainda não são muito abordadas clinicamente, é difícil apontar causas exatas para o surgimento deste tipo de patologia. No entanto, a relação mais pertinente associada ao aparecimento deste tipo de fobias são traumas que foram surgindo ao longo da vida, principalmente durante a infância sofridos durante a época do natal ao relacionados com a figura natalícia.

 

4-O que representam as festas de final de ano?

Este é um período que simboliza encerramento, conclusão e, como todo fim, gera tristezas: O que provoca essa sensação é uma mistura de melancolia com frustração, pela revisão do que se passou ,ou teria de ter se passado, alegrias e as expectativas sobre o que virá com o ano novo.  Entenda, portanto, que estar triste é normal, e não um sinônimo de depressão (e que não ter vontade de participar do Natal não é raro). É difícil pensar que alguém desenvolverá um quadro depressivo apenas em função das festas de fim de ano.

 

5-Temos a obrigação de celebrar  ?

As pessoas presenteiam para estarem presentes na vida de quem os recebe. Ter de presentear ou ir a festas só para obter reconhecimento social, numa determinada época do ano, é fator gerador de grande sensação de impotência, principalmente quando a pessoa não pode (porque não tem condições financeiras) ou não tem vontade de presentear.

De forma geral, a obrigação de celebrar e comprar é o que causa raiva e angústia.    Mas, às vezes, o ano foi pesado e na hora da retrospectiva a tristeza surge. O pesar pela morte de um ente querido, quem está com problemas de saúde na família ou com dificuldades financeiras, a perda de um emprego projetos que não foram concluídos ou que não deram certo ,uma separação ou doença podem significar grandes mudanças na vida –uma realidade que não se consegue afastar, por mais feliz e próxima do ideal que seja a reunião familiar. Tais fatos corroboram e intensificam esse sentimento de tristeza e maior introspecção, comum nesta época, a  tristeza não deve ser escondida e não há motivo para prevenir a melancolia de final de ano. Ela pode ser muito bem-vinda quando nos propicia momentos de reflexão sobre nossas escolhas que, normalmente, não temos em outras oportunidades cotidianas.

 

6-Quais são os sintomas da melancolia natalina ?

Desesperança muito forte, dificuldade para se alimentar, perda de peso, inapetência, esses são alguns dos sintomas apresentados por quem está com melancolia natalina. A maior parte das pessoas que passam por melancolia no final do ano relata profunda dificuldade ao acordar, pois eles têm a ideia que vai “começar tudo de novo”.

Um sintoma muito comum é a culpabilização excessiva. As pessoas ficam se culpando excessivamente por tudo. Por exemplo, uma pessoa que perdeu a esposa, se culpa pela ideia da perda, porque não conseguiu observar um processo de adoecimento, mesmo que não tenha nenhum tipo de relação com a causa da morte dessa pessoa. Uma mãe que se culpa excessivamente pelo filho ter cometido suicídio, dentre outros casos.

 

7-Depressão ou não?

No final de ano ocorre um “curto-circuito”: Ao mesmo tempo em que nos é passada a ideia de que o consumismo vai nos realizar como pessoas, nos completar e fazer um Natal mais feliz, somos também convocados a repensar nossas vidas; olhar para trás e ver que há vazios. Não é o Natal que produz isso. Mas, sim, a forma como as pessoas estão entendendo e pensando esse momento. Temos pessoas que estão extremamente felizes nessa época, ou seja, para algumas pessoas é tempo de celebração e para outros, não.

É normal de todo ser humano ter emoções como raiva, medo, tristeza, alegria. Contudo, em demasia, as emoções podem trazer dificuldades no cotidiano. E o fato é que a vida de ninguém é perfeita. Logo, se nessa hora se instalar, por definitivo, uma depressão, o jeito será procurar ajuda médica para combatê-la.

Também é recomendado que, paralelamente, a pessoa faça sessões de psicoterapia. Porém, se for apenas uma tristeza passageira, não se preocupe com ela. Ficar triste faz parte da vida e não há nada de patológico em não se identificar com as festas de fim de ano. Mas, se a tristeza atrapalha, então esse período acaba servindo apenas como um indicativo de que há algo para ser trabalhado psicologicamente. Um novo ano se aproxima.

 

8-Como é o tratamento das fobias de natal ?Assim como qualquer caso  e, este de forma mais especial deve ser tratado de forma individualizada e particularizada. O tratamento pode ser mais fácil ou mais difícil e baseia-se, essencialmente, em tratamento de psicoterapia. Para além disso existem as terapias comportamentais que irão modelar os comportamentos e medos dos portadores destas fobias e ainda o tratamento psiquiátrico.

 

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: