Segunda-feira, 22 de Abril de 2024 Fazer o Login

Coluna: Cantinho do Mário (23/12)

qui, 23 de dezembro de 2021 10:03

CANTINHO DO MÁRIO

JESUS DE NAZARÉ (CRISTO), natural de Belém, nascido em uma data estimada em 25/12/0000. Pais: José e Maria. Solteiro. Era o mais velho entre diversos irmãos e irmãs. Não se tem notícia que Jesus tenha estudado, seu pai e sua mãe lhe ensinavam o necessário para a época. Até os doze anos de idade trabalhou com seu pai na profissão de carpinteiro, a partir daí os evangelistas nada reportaram, só reaparece nas escrituras aos 30 anos de idade e foi batizado por João Batista. Há quem diga que viveu entre os Essênios por 18 anos. Eles eram monges religiosos e estavam à frente de seu tempo, faziam curas e acreditavam em um Deus único, viviam afastados da “civilização”. Pregavam o amor, o perdão, e eram procurados por milhares de pessoas em sofrimento. Alguns dizem também que Jesus viajou pelo mundo antigo. Durante seus três últimos anos de vida material combateu o orgulho e o egoísmo, ensinou com mansidão, com simplicidade e acima de tudo com amor para testemunhar sua ascendência superior à humanidade e para a glória de Deus. Fez maravilhas: Não era químico, mas transformou a água em vinho, não era médico nem mágico mas curou o criado do Centurião, curou ‘endemoniados’, paralíticos, a sogra de Pedro, leprosos, reconstituiu uma mão ressequida, curou a mulher enferma, cegos, a filha da Cananéia, o surdo e gago, o jovem possesso, a filha de Jairo, chamou Lázaro à vida, o cego Bartimeu, indicou aos apóstolos onde havia peixes, não era cirurgião plástico mas recuperou a orelha de Malco, acalmou a tempestade, multiplicou pães, andou sobre as águas, secou a figueira como exemplo moral. Fez profecias, exemplificou seus ensinamentos e milhares de outros que não foram reportados. Não fazia nada por dinheiro. Afirmou que nós somos deuses e que podemos fazer o que Ele fez, através do amor e da fé. Afirmou também que nenhuma de suas ovelhas se perderá, acabando com a ideia da existência do inferno infinito. Não foi preconceituoso, recomendou a seus seguidores que deveriam ser simples e desapegados das coisas materiais, a só levar uma muda de roupa em suas viagens para levar a palavra de Deus para não atiçar a cobiça. E os lembrou de que tudo que é material passa, que deveriam dar de graça o que de graça receberam. Não fundou nenhuma religião. Nunca cobrou de ninguém por seus “trabalhos”. A doutrina que pregou foi: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, e resumiu todos os ensinamentos dos profetas e a lei nestes dois mandamentos. No Monte das Oliveiras chorou pelas nossas fraquezas e não de medo, como querem alguns. Foi crucificado injustamente e do alto do madeiro após ser ferido pela lança de Longinus para acelerar sua morte e deu a última lição: a do perdão. Neste natal não importa seu seguimento religioso, lembre-se do aniversariante. Não importa se a data está certa ou errada, é apenas uma convenção, o que importa é a nossa gratidão a esse Espírito superior, que veio até nós por amor e cumprindo as ordens de Deus. Ore por nosso país, para que nossos “políticos” pensem menos neles e levantem seus olhos para essa população sofrida que vem sendo sacrificada pela cobiça, ganância e sede de poder. Lembre-se: Jesus veio trazer luz para as trevas, Ele trouxe a salvação em seus ensinamentos. Deus nos deu a vida, o resto é por nossa conta. “A cada um segundo suas obras – faça da sua parte que da minha farei” – disse Jesus. Ele trouxe a chave para os nossos males, o problema é que a fechadura fica do lado de dentro do coração e poucos tem acesso a ela. Para os céticos, nas entrelinhas de sua doutrina, deixou escrito: fora da caridade não há salvação, amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Porém, o mundo está cheio de falsos profetas que só pensam em si, e muitos que não o reconheceram dão um toque de conveniência, distorcendo suas palavras, inventando rituais para a simplicidade, matando a esperança, desiludindo e corrompendo muita gente, precisamos recuperar a pureza de sua doutrina, ainda há tempo. UM FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO A TODOS AMIGOS E LEITORES DESTA COLUNA.

CASOS E HISTÓRIAS PITORESCAS DE ARAGUARI

SÓ PARA DESCONTRAIR: Era manhã de natal e, como de costume, os ovos das galinhas foram todos decorados e em seguida colocados novamente no galinheiro. Algum tempo depois o galo entra no galinheiro, observa os ovos e sai furioso gritando pelo quintal:

– Cadê aquele pavão miserável?

MÁRIO F. S. JUNIOR

 

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: