Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

PM visitará escola para conversar com comunidade em Araguari

sex, 30 de outubro de 2020 14:51

Com assessoria 

Uma visita técnica a partir da semana que vem deverá ser agendada pela Polícia Militar com a participação de pais, alunos e professores na Escola Estadual Rainha da Paz, em Araguari. Essa foi a promessa do diretor de Educação Escolar e Assistência Social da Polícia Militar de Minas Gerais, Tenente Coronel PM Wellerson Conceição Silva. Responsável pelas 30 unidades do Colégio Tiradentes em Minas Gerais, ele fez a promessa durante audiência pública da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nesta quinta-feira, 29.

A cessão do prédio escolar foi debatida na Assembleia Legislativa

A cessão do prédio escolar foi debatida na Assembleia Legislativa

 

Durante a reunião, todos os envolvidos na cessão do prédio da Escola Estadual Rainha da Paz para o Colégio Tiradentes foram bastante criticados por membros da comunidade, que afirmaram não terem sido consultados no processo de tomada de decisão pela Secretaria de Estado de Educação.

A escola, que existe desde 1964, funcionou por 36 anos num prédio alugado e mudou de endereço duas vezes enquanto a sede definitiva não era construída, o que aconteceu em 2008 depois de mobilização.

“Queremos levar esclarecimentos e informações a todos, tranquilizar os pais e a comunidade. Nossas pautas são convergentes. Estávamos com demanda reprimida do Tiradentes em Araguari e constatamos que a Rainha da Paz teria salas de aula e espaço suficientes para receber nossos alunos. Então encaminhamos a demanda para a secretaria e acreditamos nessa fusão, que atenderá bem a todos”, explicou o Tenente Wellerson.

No entanto, o professor Cleberson Pinelli Ribeiro fez questionamentos com relação à autonomia administrativa da escola, que seria “perdida” para o Tiradentes, uma instituição militar. Isso implicaria em mudanças no processo seletivo para admissão dos alunos e demissão dos 50 profissionais de educação que trabalham na instituição.

O deputado Raul Belém explicou que inicialmente foi procurado pelo Tiradentes, solicitando recurso de R$ 150 mil para expansão de suas instalações, mas, após conversa com a secretária de educação, chegaram à conclusão de que o prédio da escola estadual teria capacidade técnica para absorver os alunos do colégio militar, numa fusão que traria crescimento para ambos e nenhum prejuízo a nenhuma das partes.

“Veio a pandemia e não tive mais notícias desse processo. Aí o Colégio Tiradentes há 30 dias me solicitou uma nova reunião, pedindo que eu concedesse, via emenda parlamentar, recursos para uniforme e material didático dos alunos da Rainha da Paz. Também me pediram que eu aportasse R$ 350 mil para a Escola Estadual Dona Eleonora Pieruccetti, para fortalecer a educação estadual na região. Após essa reunião, um assessor meu postou nas redes sociais sobre a cessão do prédio e isso assustou a comunidade, que não estava ciente até aquele momento”, esclareceu.

Quanto ao processo seletivo e a demissão de professores, o parlamentar disse que não havia sido informado. “Essa fusão teria 70% de alunos civis e 30% de alunos militares. E para mim está claro que quem vai administrar a escola é a Secretaria de Educação, a quem o Tiradentes é subordinado. E eu nunca soube que esses profissionais seriam demitidos. Sou colaborador da educação na minha cidade, quero fortalecer, não fechar a escola. Quem tem poder para decidir o que vai acontecer é o governo”, reforçou.

Segundo representente do governo, decisão pode otimizar prédio escolar.

O subsecretário de Articulação Educacional da Secretaria Estadual de Educação, Igor Alvarenga, enfatizou que a cessão se baseia em parecer técnico do inspetor escolar, que mostra que o prédio da escola é grande e poderia ser melhor utilizado. “Vimos que é possível sim a união das duas escolas para funcionamento e atendimento da comunidade. Isso é para atender demanda do comando da Polícia Militar. E os professores poderão ser remanejados para outras escolas, se isso for necessário”, completou.

A deputada Beatriz Cerqueira (PT), presidente da comissão e autora do requerimento para a audiência, e os deputados Sargento Rodrigues (PTB) e Bartô (Novo), mesmo com pontos de vista distintos sobre a transformação da escola, concordaram que a falta de diálogo por parte do governo está na raiz da divergência.

Bartô e Sargento Rodrigues são favoráveis à cessão para o Colégio Tiradentes, mas disseram entender a apreensão de pais, alunos e professores com a falta de informações sobre as decisões do governo.

Eles destacaram, contudo, que os alunos que, assim desejarem, serão recebidos pelo colégio militar, sem processo seletivo ou fila de espera, o que consideram muito positivo, tendo em vista o alto desempenho de instituições congêneres no Estado.

No entanto, para a deputada, ficou claro o desejo dos representantes da comunidade escolar, durante a reunião, de que a cessão não aconteça. “Por que mexer no que está dando certo, já que a estrutura da escola e seus indicadores de ensino são excelentes? Ninguém achou importante ouvir os pais, ouvir os alunos? O governo precisa fazer essa escuta antes de efetivar a expansão”, completou.

3 Comentários

  1. Anônimo disse:

    O governo só tem compromisso com os professores efetivos que poderão ser remanejados pra outras escolas. As pessoas contratadas não serão demitidas e sim participar de convocações nas outras escolas ano que vem para ver se conseguem vagas para trabalhar. Isso se a pandemia der uma trégua. Não tem mistério nenhum, é isso aí.
    Vai arrumar dinheiro pra construir um prédio pra essa escola Tiradentes, nosso herói nacional, Se dez vidas eu tivesse, dez vidas eu daria. O Tiradentes não traiu, ele foi traído. Esse bairro vai crescer e as salas serão a conta do Rainha da Paz, tem biblioteca, salas de computação. Querem pegar o prédio pronto é mais fácil. E ainda falou errado, eu não sabia que os professores efetivos seriam remanejados, porque os contratados vão na verdade é pra rua. Não deixem ser enganados, na próxima que é dia 15 dá o troco nas urnas.

  2. Anônimo disse:

    Não tem que dialogar coisa nenhuma, tem é que construir um prédio pra esse colégio. Terrenos é o que não faltam em Araguari. Vai tentar fazer isso em outras escolas mais centrais para ver o pau quebrar. Tem um bairro muito longe que é o portal dos Ipês que precisa urgente de escola. Constrói lá. Até tem uma escola estadual que precisava ser transferida pra lá, mas é preciso construir um prédio. Eu quero ver trazer din din pra isso. Esse negócio de inaugurar placas que ninguém vê o dinheiro não dá. É placa em tudo quanto é lugar, para tapear as pessoas desavisadas. Pensa que todos são bobos.

  3. Anônimo disse:

    Eu não sabia que os inimigos viraram amiguinhos, será que é porque a quadrilha abandonou, ou o melhor não botou fé e aí resolveu procurar outro que caiu melhor na graça do povo e aí entrou a lábia do outro que teve escola do dad. O remédio foi procurar o inimigo com o qual vivia de picuinha.

Deixe seu comentário: