Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Coluna: Saúde Alerta (16/09)

qua, 16 de setembro de 2020 11:26

Abertura-saude-alerta

 

As crônicas das dores

 

Quem não desejou poder ver seu cérebro trabalhando e fazer mudanças nele, como um pintor se afasta de uma pintura, a estuda e decide fazer o céu numa tonalidade diferente? Ah, se pudéssemos verificar o cérebro como se fosse um texto, ou reprogramá-lo como um computador para eliminar falhas como dor, depressão e dificuldades de aprendizagem!

A dor é uma sensação desagradável, porém necessária. As poucas pessoas nascidas sem a capacidade de sentir isso devem abordar as tarefas do dia-a-dia com cuidado extra. Sem a capacidade de sentir os efeitos de um osso quebrado ou pele queimada, é difícil evitar danos. Por outro lado, muita dor pode ser debilitante. Indivíduos com dor crônica frequentemente experimentam uma série de efeitos negativos adicionais na saúde mental e física. Apesar dos recentes avanços na descoberta dos mecanismos subjacentes da percepção da dor no cérebro, os cientistas ainda estão debatendo as questões de onde e como a dor é processada.

Agora ,imagine uma pessoa com dor todo dia, o dia inteiro, durante meses e anos.

Acredita-se  que a dor crônica seja uma doença do sistema nervoso central que pode ou não se correlacionar com qualquer dano tecidual, mas envolve uma reprogramação errônea no cérebro e na medula espinhal. O cérebro pode gerar uma dor terrível em uma ferida já curada faz muito tempo, em um corpo dormente e paralisado ou – no caso de dor no membro fantasma – em um membro que não existe mais.

A dor crônica é uma preocupação de saúde pública que afeta 20-30% da população dos países ocidentais.

No Brasil pelo menos 37% da população brasileira, ou 60 milhões de pessoas, sentem dor de forma crônica, . A Região Sul é a mais afetada pelos desconfortos contínuos (42% dos voluntários), seguida do Sudeste (38%), Norte (36%), Centro-Oeste (24%) e Nordeste (28%). Embora tenha havido muitos avanços científicos na compreensão da neurofisiologia da dor, avaliar e diagnosticar com precisão o problema de dor crônica do paciente não é simples nem bem definido. Como a dor crônica é conceituada, influencia a maneira como a dor é avaliada e os fatores considerados quando se faz um diagnóstico de dor crônica. Não existe uma relação um-para-um entre a quantidade ou o tipo de patologia orgânica e a intensidade da dor, mas a experiência da dor crônica é moldada por uma miríade de biomédicas, psicossociais (por exemplo, crenças, expectativas e humor dos pacientes), fatores comportamentais (por exemplo, contexto, respostas de parceiros/as). A avaliação de cada um desses três domínios por meio de uma avaliação abrangente da pessoa com dor crônica é essencial para as decisões de tratamento e para facilitar os resultados ideais. Essa avaliação deve incluir um histórico completo do paciente, avaliação médica e uma breve entrevista de triagem, onde o comportamento do paciente possa ser observado. Uma avaliação adicional para tratar de questões identificadas durante a avaliação inicial orientará as decisões sobre quais avaliações adicionais, se houver, podem ser apropriadas. Instrumentos de autorrelato padronizados para avaliar a intensidade da dor, as habilidades funcionais, crenças e expectativas, e o sofrimento emocional do paciente estão disponíveis, e podem ser administrados pelo médico, ou um encaminhamento para uma avaliação em profundidade pode ser feito para auxiliar no planejamento do tratamento.

A dor crônica afeta mais do que apenas o paciente individual, mas também seus parceiros, parentes, empregadores e colegas de trabalho e amigos, tornando essencial um tratamento apropriado. O tratamento satisfatório só pode vir de uma avaliação abrangente da etiologia biológica da dor em conjunto com a apresentação psicossocial e comportamental específica do paciente, incluindo seu estado emocional (por exemplo, ansiedade, depressão e raiva), percepção e compreensão dos sintomas e reações a esses sintomas por parte de parceiros/as. Uma premissa chave é que múltiplos fatores influenciam os sintomas e limitações funcionais de indivíduos com dor crônica. Assim, é necessária uma avaliação abrangente que aborde os domínios biomédico, psicossocial e comportamental, pois cada um contribui para a dor crônica e a incapacidade relacionada.

A dor, de modo geral, talvez seja umas das situações humanas que mais causam sofrimento. Ela não só provoca um sintoma desagradável, mas traz repercussões biológicas, psicológicas, sociais e espirituais.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: