Domingo, 05 de Abril de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Saúde Alerta – Violência

qua, 10 de agosto de 2016 05:40

Abertura-saude-alerta

É muito óbvio que violência de qualquer tipo, mas principalmente de ordem sexual está relacionada a problemas mentais. O que acontece é que, às vezes, não temos dimensão do estrago que traumas assim podem causar.

Diversos estudos tentaram entender como essas agressões podem afetar a vida mental de mulheres. Violência na infância,  por exemplo,  está relacionada a pior saúde mental, uso de substâncias, tentativas de suicídio e comportamentos de auto agressão. Em um estudo que acompanhou durante muitos anos 7.700 mulheres, aquelas que tiveram experiências de abuso sexual na infância tinham 40% de chance maior de sofrerem com dores corporais e 30% maior chance de estarem deprimidas. (Coles, 2014).  A chance de problemas de saúde mentais ou físicos era duas vezes maior do que nas mulheres que não sofreram desse trauma na infância. Caso o abuso ou história de violência ocorresse também na idade adulta, essas chances saltariam para duas vezes de ter depressão, e três vezes de algum transtorno de ansiedade.

Outro estudo (Burton 2014) comprovou o que também é muito claro na prática: os efeitos de um relacionamento abusivo se arrastam por muito tempo após o término do relacionamento e aumentam a chance de depressão e comportamentos de autoagressão. E o pior: é muito mais comum do que imaginamos, chegando a 34% de relacionamento de colegiais.

Não só as violências do tipo sexual, mas também violência psicológica e física estão fortemente associadas a desordens em mulheres.

Um assunto ainda pouco estudado cientificamente é a violência e a presença de sofrimento mental em relacionamentos do mesmo sexo. Um estudo mexicano com adolescentes em relacionamento homossexual encontrou maior risco para sintomas depressivos, intenção de suicídio, e abuso de álcool. Esses fatores relacionado a exposição de violência na família as faziam mais vulneráveis à vitimização. De acordo com estudo realizado por Levahot em 2014, mulheres homossexuais ou bissexuais sofrem maior violência (inclusive sexuais) ao longo da vida comparado a mulheres heterossexuais. No entanto, pesquisas nessa área são muito iniciais e com praticamente nenhum dado de países em desenvolvimento.

Durante a gravidez a violência contra as mulheres provoca, como esperado, efeitos danosos à gestante e ao feto. Em um estudo no Peru com 1.500 grávidas de baixa renda, episódios de violência aumentaram em 30% a chance de problemas clínicos e mentais relacionados à gravidez e parto. Mais uma vez, os dados preocupam: em um estudo em Bangladesh com 600 mulheres, 52% sofreram violência após darem a luz e 65% referiam terem sido obrigadas a ter relações sexuais contra a sua vontade.

Precisamos nos atentar e cuidar dessas mulheres que são vítimas de violência e, principalmente, cuidar das razões sociais e educacionais que prolongam essa cultura que promove tais atos. Afinal, a consequência desse abuso é grave e, infelizmente, muito mais comum do que o imaginado ou divulgado.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: