Domingo, 05 de Abril de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Saúde Alerta – Consumo de energéticos – Alerta ligado!

qua, 28 de setembro de 2016 05:28

Abertura-saude-alerta

Vendidos em supermercados e muito consumidos por jovens, os energéticos estão presentes nas baladas, misturados com bebidas alcoólicas e no dia a dia de quem quer ter um pouco mais de disposição. Seu consumo indiscriminado, no entanto, tem sido questionado por especialistas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) endossa o trabalho da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) segundo o qual o aumento do consumo de energéticos pode representar perigo para os jovens.

O perigo existe devido à presença de substâncias como a cafeína e o guaraná, entre outros ingredientes. Esses componentes estão nos energéticos em quantidade que excede em muito o recomendado para consumo saudável pelos órgãos de saúde e podem desencadear arritmia mesmo em pessoas sem nenhuma doença cardíaca.

O problema maior é o consumo em baladas, como se fosse refrigerante, pois como na verdade são estimulantes neuropsíquicos, os energéticos podem ser muito deletérios para o corpo, principalmente se tomados juntamente com bebidas alcoólicas.

Alguns dos efeitos possíveis do consumo de energéticos: arritmias cardíacas, hipertensão, estimulação do sistema nervoso central, vômitos, acidose metabólica, convulsão, parada cardíaca e até mesmo morte. Nos adultos a bebida tende a aumentar o risco de hipertensão e de diabetes, pois a cafeína reduz a sensibilidade à insulina e aumenta o risco de aborto espontâneo. Segundo o trabalho, o efeito maléfico da cafeína contida no energético é maior do que a contida no café, porque, como esta bebida é consumida quente, sua absorção é mais lenta do que a do energético, que é tomado frio ou gelado.

As pesquisas continuam em andamento e os norte-americanos estão analisando o que ocorre com o uso simultâneo de energéticos e drogas, como maconha e cocaína, e um novo estudo analisa por que os militares que usam energéticos apresentam taxa de suicídio maior do que a média das Forças Armadas.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: