Segunda-feira, 30 de Março de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Venda de pescados aumenta no período da Quaresma

sex, 28 de fevereiro de 2020 05:03

Da Redação

O período religioso da Quaresma iniciou nesta Quarta-feira de Cinzas, 26. O momento é marcado pela tradição em se abster do consumo de carne vermelha durante os 40 dias que antecedem a Páscoa. Em decorrência dos costumes, os cristãos se adequaram à ingestão de carne branca como aves, peixes e também de ovos.

Nesta época, a tendência é o aumento nas vendas de pescados, sendo a tilápia, surubim e pintado os tipos de peixes mais procurados. Segundo Silvio Presley, proprietário do Badião Smart, famoso supermercado de Araguari, a venda de tais produtos neste período é sempre muito aquecida e, representa um aumento de até 200%.

“Este ano, com o preço da carne bovina em alta, acredito muito no aumento da venda de peixes. O bacalhau, mesmo com o dólar em alta, tem uma boa fatia de mercado neste período, além do tradicionalismo no consumo da espécie durante a Semana Santa”, declarou o empresário.

Na hora de comprar o peixe, o consumidor deve observar se o pescado está bem refrigerado ou conservado em uma camada espessa de gelo. O corpo do peixe tem que estar bem liso, com a pele intacta e a carne firme sempre que pressionar o dedo sobre ela. Quando comprado fresco, o peixe deve apresentar guelras brilhantes e com a cor vermelha, clara e sem marcas cinzentas. As escamas devem estar bem aderidas, o peixe deverá estar brilhante e úmido, sem nenhum odor diferenciado, pois pode estar vencido ou velho.

Neste período, os consumidores também fazem dos ovos uma opção para acrescentar no cardápio diário. Questionado sobre a alteração de preço nos produtos do momento, Silvio Presley disse que o aumento será pequeno, mas acredita que as vendas serão melhores em vista da alta no preço da carne vermelha.

Tradição

O costume em se abster da carne vermelha durante a Quaresma entra em um dos três princípios praticados neste período.  A recomendação da Igreja é que o fiel não coma carne ou substitua por pequenas ações de sacrifício. Estas pequenas penitências, mostram que o fiel está disposto a sacrificar algo de seu dia a dia em memória de Cristo, seriam jejum ou atos de caridade e dedicação ao próximo.

Quando fala em “carne”, o Código de Direito Canônico da Igreja Católica não diz “carne de boi” ou libera carne de peixes e outros animais, no entanto, diz que o fiel pode se abster de carne ou outro alimento, desde que isso signifique um pequeno sacrifício a ele.

A tradição de comer peixes na Sexta-Feira Santa é, portanto, apenas uma convenção cultivada e mantida por falta de interpretação dos textos da Igreja Católica.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: