Domingo, 21 de Janeiro de 2018
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Tribunal de Justiça bloqueia parte dos bens de Marília Mendonça por cancelamento de shows

qua, 10 de janeiro de 2018 05:22

Da Redação | Com Assessoria

Consumidores não tiveram valores dos ingressos ressarcidos

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou, nessa segunda-feira, 8, o bloqueio de parte dos bens da cantora sertaneja Marília Mendonça. O objetivo é garantir o ressarcimento dos consumidores que compraram ingressos para os shows que aconteceriam no município, mas foram cancelados.

O processo teve início após o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) receber diversas reclamações por parte dos consumidores que adquiriram ingressos antecipados e não foram ressarcidos. O órgão informou que mais de 550 pessoas compareceram ao cadastramento realizado entre os meses de junho e julho do ano passado.

De acordo com o processo, foram indisponibilizados judicialmente R$ 100 mil em bens da cantora, da contratante e da produtora do evento. O valor foi dividido entre os réus e cada um teve aproximadamente R$ 33 mil em bens bloqueados. A deliberação partiu da 3ª Vara Cível de Araguari, segundo determinação do juiz Márcio José Tricote.

Cantora, contratante e produtora do evento tiveram bens bloqueados no valor de R$ 33 mil cada

Cantora, contratante e produtora do evento tiveram bens bloqueados no valor de R$ 33 mil cada

 

Em nota, a assessoria de comunicação da cantora afirmou que a cobrança é indevida, que os shows foram cancelados devido ao mau tempo e que a responsabilidade de devolver os valores referentes aos ingressos é da contratante.

Uma audiência de conciliação do processo será realizada no dia 18 desse mês, no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania em Araguari. Caso não seja feito nenhum acordo, o processo continua com o bloqueio dos valores.

Entenda o caso

O show da cantora sertanejo Marília Mendonça seria realizado em Araguari no dia 3 de março e foi remarcado para o dia 9, porém, devido às condições climáticas, o evento não ocorreu. Os ingressos foram comercializados por valores entre R$ 50 e R$ 150.

Os responsáveis pela organização do show participaram de uma audiência junto à Curadoria de Proteção e Defesa do Consumidor, no Ministério Público, no dia 22 de março do ano passado para tratar sobre o reembolso dos ingressos adquiridos pelos araguarinos.

O valor deveria ser devolvido no dia 27 do mesmo mês, porém, a produtora afirmou que não possuía o valor suficiente para fazer o pagamento para os consumidores que optaram pelo recebimento em dinheiro. Diante do fato, o Ministério Público firmou um novo acordo para que o reembolso ocorresse nos dias 12,13 e 14 de junho.

Na data agendada, mais de 200 pessoas compareceram ao Procon, porém, os organizadores do evento não cumpriram o Termo de Ajuste de Conduta (TAC). O diretor da unidade na época entrou em contato com o Ministério Público e foi orientado a fazer um relatório e anexar as assinaturas das pessoas que solicitaram o reembolso.

As assinaturas foram recolhidas até o dia 10 de julho e mais de 550 pessoas compareceram. No mesmo mês, o Ministério Público entrou com uma ação por danos morais e, no dia 12 de setembro, a Justiça determinou o bloqueio dos bens dos envolvidos.

2 Comentários

  1. Anônimo disse:

    Assim fizesse isso com certos ex políticos também, que arruinaram a prefeitura e ficou por isso mesmo.

  2. Anônimo disse:

    E ainda posa de santo na tapeação. E um dia ainda vai voltar para roubar mais.

Deixe seu comentário: