Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Suspensão do pagamento de insalubridade preocupa Agentes Comunitários de Saúde

sex, 6 de setembro de 2019 05:20

Da Redação

Uma decisão da administração municipal retirou dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) o adicional de insalubridade. A notícia caiu como uma bomba entre os servidores que, ao receberem o holerite perceberam que o valor de aproximadamente R$ 250,00 não constava no vencimento mensal. Os trabalhadores reagiram negativamente à medida, sobretudo diante das perdas, pois o valor adicional complementava os salários.

rabalhadores reagiram negativamente ao corte, sobretudo devido às perdas, já que o valor adicional complementava os salários

rabalhadores reagiram negativamente ao corte, sobretudo devido às perdas, já que o valor adicional complementava os salários

“O corte está desrespeitando a legislação federal, além disso, outros descontos que não incidem em salário também estão sendo realizados de forma indevida. É importante ressaltar que estamos em contato com pacientes com diversas enfermidades contagiosas, em áreas insalubres e não temos como trabalhar sem receber esse adicional,” afirmou o agente comunitário de saúde, Tiago Fernandes.

Diante disso, na quarta-feira, 4, os servidores se reuniram com o secretário de Administração Saulo Borges, bem como, com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Empregados em Serviços Públicos Municipais de Araguari (Sintespa), Ana Maria Braga e com o vereador Sebastião Vieira (PSL). Na ocasião, os profissionais foram informados que a decisão foi motivada pelos pareceres da junta médica do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT).

Os laudos apontam que os cenários onde as atividades são desenvolvidas pelos Agentes Comunitários de Saúde não foram reconhecidos como insalubres por parte dos técnicos e médicos responsáveis. Além disso, muitas vezes o servidor é transferido de área, porém, continua recebendo a insalubridade. Sendo assim, a pasta competente deveria tomar providências.  “Nos reunimos com o engenheiro técnico de segurança que nos explicou sobre os critérios adotados pela portaria onde estão previstas as situações em que esse adicional é pago. Diante dos laudos, a orientação foi a realização dos cortes dos servidores,” disse Saulo Borges.

Segundo apurou a reportagem, o impasse envolvendo o pagamento do adicional ocorre deste 2016, quando foram realizadas várias reuniões junto ao Sindicato e o SESMT, a partir de então foi criada uma junta médica para corrigir os problemas que fossem identificados. Para tratar sobre o assunto, uma nova reunião está marcada para esta sexta-feira, 6. O objetivo da reunião é construir um entendimento entre a categoria dos ACS e o SESMT, sendo que os servidores poderão esclarecer suas dúvidas junto ao médico responsável.

Atualmente, Araguari conta com 140 Agentes Comunitários de Saúde, sendo que 125 estão em atividade. Sobre o assunto, o secretário de Saúde Guilherme Afonso, afirmou que está acompanhando a demanda, mas que por se tratar de uma questão administrativa, as decisões são tomadas pela secretaria de Administração e a procuradoria do município.

“A questão da insalubridade é intrínseca ao cargo que os agentes exercem. Há uma prerrogativa da função que deixa claro que o próprio trabalho se caracteriza como uma função que precisa do adicional de insalubridade, entretanto, os casos deverão ser analisados pela junta médica e as deliberações quanto ao entendimento jurídico serão da administração municipal e procuradoria,” ponderou.

Os agentes ressaltam ainda que pretendem resolver o impasse junto à administração de forma passiva com o apoio do Sindicato, entretanto, caso não haja resolução a intenção é acionar a Justiça. “O corte foi inesperado e fará falta aos trabalhadores que trabalham no dia-a-dia com doenças, com pessoas doentes, com triagem, visitas às casas, e não irão receber o adicional. Que nossos representantes possam intervir para resolver esse problema e reaver esse que é um direito dos trabalhadores da saúde,” afirmou uma agente comunitária.

A lei federal nº 13.342/16 mencionada pelos agentes alterou a Lei 11.350/2006, dispõe sobre as atividades de agente comunitário de saúde e de agente de combate às endemias. Desse modo, o exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura o recebimento do adicional de 40%, 20% e 10%, segundo se classifiquem em grau máximo, médio e mínimo (art. 192 da CLT).

 

4 Comentários

  1. Eliseo alves dos Santos disse:

    Sou do ministério da saúde , desde que o bozo foi eleito cortou a nossa insalubridade de todos agentes de saúde e agentes de endemias , até o momento nada foi feito

  2. Patricia disse:

    Sou agente de saúde em São José dos Pinhais PR
    Tentaram.fazer o mesmo.aqui.no município mas entramos com ação junto ao.sindicato dos servidores
    Sinsep e a.juiza determinou o.pagamento imediato da insalubridade.

  3. Weslei disse:

    Sou ACS do Distrito Federal e desde Janeiro não recebemos o valor referente à Insalubridade. Já entramos,por meio de nosso Sindicato, na Justiça para reaver essa parcela indenizatória.

    Infelizmente o Agente Comunitário de Saúde SEMPRE sofreu e sofre um tratamento diferenciado e pejorativo em relação às outras categorias, um verdadeiro Apartheid Funcional.

  4. Maria Cristina Lopes disse:

    O médico que pode analisar isso é o médico da medicina e segurança do trabalho, e não o médico da prefeitura. Cuidado com as armações. Esse vereador do Psl, qual é a dele. Isso é uma questão trabalhista e não política

Deixe seu comentário: