Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Quatro anos de prisão para homem que furtou bateria de caminhão na cidade

sáb, 14 de abril de 2018 05:34

Da Redação

Na madrugada do dia 2 de novembro de 2017, em um depósito de areia no bairro Amorim, C. L. S. escalou o muro de quase três metros de altura e furtou uma bateria de caminhão. Na mesma data, por volta de 23h, o autor retornou ao estabelecimento e tentou subtrair outra bateria, não logrando êxito em razão de intervenção do proprietário.

Por conta desses crimes (furto consumado e furto tentado) ele foi preso em flagrante e recentemente julgado na Primeira Vara Criminal da Comarca de Araguari, sendo condenado a 4 anos, 4 meses e 13 dias de prisão, inicialmente o cumprimento da pena no regime fechado.

A defesa alegou o princípio da insignificância, em se tratando de uma bateria e requereu a absolvição. Por outro lado, se fosse condenado, pediu aplicação da pena concreta no mínimo legal.

No entanto, a juíza Daniele Nunnes Pozzer argumentou na sentença que o acusado é reincidente na prática de crimes contra o patrimônio, inclusive com duas condenações por furto.

“As provas são firmes em apontar que o acusado subtraiu voluntariamente a bateria do caminhão e tentou furtar a outra”, colocou a magistrada, que negou ao réu o direito de recorrer da sentença em liberdade.

Ainda de acordo com ela, “não se mostra cabível o princípio da insignificância, pois, se assim não fosse, o Direito Penal estaria a suportar a ideia de que o agente que vive da reiteração de pequenos furtos, cometidos contra diversas vítimas, todos incapazes de lesar consideravelmente o patrimônio alheio, devesse sempre ser absolvido pela atipicidade, em razão da insignificância da conduta”.

O princípio da insignificância, ou bagatela, afasta a caracterização do crime, deixando de considerar o ato praticado como sendo um crime. Mas para que possa ser aplicado é obrigatória a presença de alguns requisitos definidos pelo Superior Tribunal de Justiça: mínima ofensividade da conduta do agente, nenhuma periculosidade social da ação, reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento e inexpressividade da lesão jurídica provocada.

O princípio decorre do entendimento de que o direito penal não deve se preocupar com condutas em que o resultado não é suficientemente grave a ponto de não haver necessidade de punir o agente nem de se recorrer aos meios judiciais, por exemplo, no caso de um leve beliscão, uma palmada, ou furto de pequeno valor.

Para que possa ser utilizado, o princípio deverá ser verificado em cada caso concreto, de acordo com as suas peculiaridades, sendo obrigatória a presença dos referidos requisitos.

O STF considera como crimes incompatíveis com o Princípio da Insignificância os crimes mediante violência ou grave ameaça à pessoa; tráfico de drogas; e crimes de falsificação.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: