Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Poker e tênis, duas modalidades que os mineiros foram muito bem em 2019

ter, 24 de dezembro de 2019 05:38
“Marcelo Melo e Bruno Soares (foto) representam o tênis mineiro no exterior”

“Marcelo Melo e Bruno Soares (foto) representam o tênis mineiro no exterior”

 

O ano de 2019 esteve longe de ser interessante a nível de resultados para os maiores times de futebol de Minas, que são os centros das atenções do esporte no Estado. Em contrapartida, o poker e o tênis, duas modalidades alternativas à bola redonda, não decepcionaram e proporcionaram mais momentos de alegrias do que de tristezas na temporada.

Poker

Um dos esportes que mais cresceram no Brasil na atual década, o poker é praticado por mais de oito milhões de brasileiros — de acordo com dados da Confederação Brasileira de Texas Hold’em.

A facilidade para jogar poker online tem peso importante no desenvolvimento do esporte das cartas no Brasil, já que o jogador não precisa sair de casa para competir contra oponentes do de vários lugares do mundo. Sites de grandes empresas do setor como a 888 Poker Brasil, por exemplo, oferecem diferentes torneios gratuitos de poker online diariamente e isso facilita a inclusão de mais pessoas no esporte.

Nos últimos anos, um dos Estados que mais apresentaram evolução no poker online foi Minas Gerais. Segundo o conceituado ranking do PocketFives, site especializado em poker online, o Estado conta com quatro jogadores entre os 20 melhores do Brasil na modalidade: Henrique Bastos Coutinho “galochina10”, Eduardo Silva “Eduardo 850”, Peter Gabriel “pitaoufmg” e Pedro Madeira “pedrogusmaa”.

Já no ranking Global Poker Index, que avalia a performance dos jogadores em torneios ao vivo nos últimos cinco anos, o belo-horizontino João Simão é o único brasileiro entre os 100 primeiros colocados — ele ocupa a 63ª posição atualmente.

Henrique Bastos, melhor mineiro no poker online

O grande destaque do poker online mineiro em 2019 é Henrique Bastos Coutinho. Conhecido “galochina10” nos feltros online, Henrique impressiona por ser um jogador muito regular e de poucas oscilações.

Não por acaso, ele é o 5º melhor colocado no ranking nacional e está entre os 45 melhores jogadores do mundo na modalidade online. Como faltam poucos dias para o término da atual temporada no poker, dificilmente Henrique perderá posições até o fim da temporada.

João Simão, jogador mais consistente do Brasil

João Simão é um jogador completo e de muita habilidade estratégica, pois ele consegue jogar em altíssimo nível nas modalidades online e ao vivo. O jogador está prestes a terminar o segundo ano consecutivo como o melhor brasileiro no ranking da Global Player Index — feito que somente o jogador Felipe Mojave já atingiu (2016 e 2017).

Se Simão impressiona nos torneios ao vivo, no online ele é capaz de coisas ainda maiores. Em 2016, por exemplo, ele assumiu a liderança do ranking mundial de poker online do PocketFives.

Mas o belo-horizontino tirou o pé do acelerador nas competições online em 2019 e cogitou até se aposentar. Em razão disso, João Simão perdeu posições importantes no ranking nacional do PocketFives e hoje ocupa a 41ª colocação na modalidade online.

Tênis

Se o poker brasileiro anda de vento em pompa, o tênis brasileiro passa por algumas dificuldades e são poucos jogadores do país que conseguem destaque em todo o mundo. Por outro lado, Minas Gerais está muito bem representada no tênis por Marcelo Melo, Bruno Soares e João Menezes.

Marcelo Melo e Bruno Soares, referências nas duplas

Número 1 do mundo nas duplas em 2015, o belo-horizontino Marcelo Melo terminou a 7ª temporada consecutiva entre os dez melhores jogadores de duplas do mundo em 2019. Ele e o seu parceiro de duplas, o polonês Lukasz Kubot, encararam alguns problemas físicos na temporada e deram a volta por cima — encerraram a temporada como a 2ª melhor dupla do mundo.

 “Marcelo Melo (foto) chegou em sete finais em 2019”

“Marcelo Melo (foto) chegou em sete finais em 2019”

“Começamos o ano eu machucado, o Lukasz jogou sozinho, com outro parceiro. Depois, até encontrar o ritmo, foi só em Indian Wells (em março). Aí terminando como a segunda melhor dupla do mundo e os resultados que tivemos, acho que foi uma excelente temporada”, disse Marcelo, em entrevista para o portal Terra.

“Foram muito mais vitórias que derrotas e isso traz muita confiança para o ano que vem. Agora é descansar que a temporada foi longa e ir com tudo em 2020”, completou.

Já o belo-horizontino Bruno Soares não conseguiu a mesma consistência de Melo em 2019, pois teve que trocar o parceiro de duplas ao longo da temporada — ele rompeu com o britânico Jamie Murray e passou a jogar com o croata Mate Pavic.

Ao lado do novo parceiro, Bruno cresceu de produção na reta final de temporada e venceu o Masters 1000 de Xangai, um dos eventos mais importantes do calendário tenístico. Agora, mais entrosado com Pavic, Bruno tem totais condições de vencer grandes torneiros na próxima temporada.

Projeto Tóquio 2020

Nos Jogo Olímpicos de Tóquio 2020, Marcelo Melo e Bruno Soares defenderão o tênis brasileiro nas duplas. Ambos já jogaram juntos em outras ocasiões e se conhecem muito bem, mas eles não descartam reviver a dupla em alguns torneios preparatórios para as Olimpíadas no Japão.

Outro mineiro com vaga garantida nos Jogos Olímpicos de Tóquio é João Menezes. Natural de Uberaba, João fez a melhor temporada de sua carreira e carimbou seu passaporte para Tóquio após ser medalhista de ouro no Jogos-Pan Americanos de Lima 2019, no Peru.

Além de ter conquistado a inédita medalha de ouro em Lima, o uberabense venceu pela primeira vez na carreira um torneio no circuito ATP Challenger Tour — série de torneios de tênis que são disputados na Europa, América, Ásia, África e Oceania.

Aos 23 anos e com uma carreira inteira pela frente, Menezes vai na contramão da maioria dos jogadores brasileiros e prefere jogar no piso sintético, ao invés do saibro. Como a superfície nos Jogos Olímpicos de Tóquio será sintética, o uberabense não terá muitos problemas para adaptar-se à velocidade do piso japonês.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: