Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Deputados votam proposta visando agilizar repasse de emendas parlamentares aos municípios

qui, 12 de dezembro de 2019 05:37

Da Redação

Parlamentares estaduais voltaram a discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 35/19, que tem como objetivo autorizar o repasse de recursos estaduais diretamente aos municípios, sem a necessidade de celebrar convênios. A medida, que altera o  artigo 160 da Constituição do Estado, recebeu o parecer pela constitucionalidade na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e foi aprovada em primeiro turno durante reunião extraordinária realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nesta quarta-feira, 11.

Agora, a matéria será encaminhada para votação no plenário. Na oportunidade, o deputado Raul Belém (PSC) que é autor da PEC ressaltou os principais pontos positivos em benefício aos municípios. “Fui prefeito e sei da dificuldade enfrentada pelos gestores para a utilização das emendas. Pelo excesso de burocracia, nem sempre o recurso faz o seu objetivo final que é trazer benefício para a população, então acredito que a aprovação dessa emenda à Constituição do Estado, terá inúmeros benefícios para o povo mineiro. Isso é uma ”injeção na veia” dos municípios de Minas Gerais. Automaticamente, a população terá mais saúde, educação e segurança pública em um tempo muito mais curto. Agradeço a contribuição e todos àqueles que votaram e discutiram essa iniciativa”, afirmou Raul Belém.

A PEC sofreu alterações durante a sua tramitação na Câmara dos Deputados, sendo apresentado pelo deputado Zé Reis (PSD), relator da matéria na comissão especial criada pela ALMG, o substitutivo nº 1 criando um novo artigo na Constituição para regulamentar as duas formas de repasse aos municípios de emendas parlamentares impositivas não só individuais, como de blocos e de bancadas: transferência especial ou com finalidade definida.

Assim, fica estabelecido que os recursos não integrarão a receita das prefeituras para o cálculo dos limites da despesa com pessoal ativo e inativo e do endividamento do município. Eles também não poderão ser aplicados, além dos casos especificados, para o pagamento de encargos referentes ao serviço da dívida. A proposta prevê ainda que a fiscalização e a prestação de contas da aplicação dos recursos transferidos serão feitas em conformidade com os procedimentos adotados pelos entes governamentais, sob as suas respectivas jurisdições e pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. “O repasse direto permitirá aos municípios mais autonomia e agilidade, uma vez que o recurso poderá ser utilizado conforme a necessidade da municipalidade”, ressaltou Raul Belém.

A proposição do Parlamento mineiro é semelhante a outra em curso no Congresso Nacional – PEC 48/19, que também tem o objetivo de modificar a Constituição Federal, visando simplificar os procedimentos de transferência voluntária para os municípios de recursos originários de emendas individuais parlamentares ao orçamento. A Constituição federal determina que as emendas individuais dos parlamentares serão obrigatoriamente executadas, embora sujeitas a bloqueios por falta de receita no mesmo percentual aplicado a outras despesas (contingenciamento). Metade do valor das emendas deve ser destinada a programações da área de saúde.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: