Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Câmara Municipal aprova fim do apostilamento

qua, 16 de maio de 2018 05:33

Da Redação

Servidores que incorporaram direitos não serão afetados

Nessa terça-feira, 15, os vereadores se reuniram em sessão ordinária na Câmara Municipal para apresentação de requerimentos, uso da tribuna e votação de projetos.

A Proposta de Emenda à Lei Orgânica do Município n.085/2018 sobre o fim do apostilamento retornou à pauta da sessão e foi votada em segundo turno recebendo aprovação de 12 vereadores.

Edis aprovam projetos durante reunião

Edis aprovam projetos durante reunião

 

Com o aval do Legislativo será determinado o fim do “apostilamento” para servidores municipais efetivos que ocuparam cargos de provimento em comissão e que deles foram afastados.

A matéria é resultado de ajuste firmado com o Ministério Público de Minas Gerais, que solicita o fim do apostilamento dos servidores efetivos que estiveram em cargos de confiança e dele foram afastados, por período igual ou superior a quatro anos, consecutivos ou não, sem ser a pedido ou por penalidade, ou por motivo de aposentadoria.

O Projeto de Emenda à Lei Orgânica resguarda até a data de entrada em vigor, os direitos adquiridos dos servidores que implementaram as condições necessárias para a incorporação da remuneração do cargo que ocupavam.

Segundo o Ministério Público o apostilamento contraria entendimento consolidado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e os princípios da isonomia, da impessoalidade e da moralidade, por ser considerado favorecimento de alguns servidores em detrimento de outros.

Também foi aprovado pelos vereadores, o Plano de Carreiras dos Servidores da Câmara Municipal, proposto pela Mesa Diretora.

O PLC 004/2018, que tem por objetivo promover alterações na Lei Complementar nº 062/09, que dispõe sobre o Plano de Carreiras dos Servidores da Câmara Municipal de Araguari, “com objetivo específico da sua atualização e correção de pontos que podem representar inconstitucionalidades”, coloca texto.

A matéria revoga os artigos 53 e 54 e, por consequência, os anexos II e III da LC citada. “As medidas ora tomadas preenchem lacunas existentes na estrutura administrativa da Câmara Municipal, contribuindo de forma decisiva para maior segurança e funcionalidade de setores essenciais do órgão, com a possibilidade da individualização de responsabilidades do servidor designado para a atividade a ele confiada”, diz texto.

Também estava em pauta o projeto que altera piso salarial, mas foi adiado após pedido feito pelo vereador Leonardo Rodrigues “Léo Mulata” (PP).O PL 072/2018 visa sanar um equívoco nos salários básicos dos cargos de supervisor Escolar I, II, e III, bem como do Orientador Escolar I, II e III na rede municipal de ensino.

De acordo com a justificativa do projeto, o valor de R$ 2.455,35 estava previsto no anexo I da Lei nº 6.032, de 04 de abril de 2018 e correspondente ao valor integral do piso da educação para uma jornada de 120 horas mensais, “sendo que o correto é o proporcional de R$ 1.637,28”.

O texto solicita que o valor seja reajustado e acrescenta que não é uma redução salarial e sim uma correção. “Apenas a título de informação, pode-se verificar que nos anos anteriores sempre foi adotada a proporcionalidade dos salários básicos do supervisor Escolar I, II e III, assim como do Orientador Escolar I, II, e III, no tocante ao piso salarial da educação, portanto não está havendo redução, mas sim correção do que era praticado na legislação pretérita”.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: