Domingo, 24 de Março de 2019
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Araguari encerra 2018 com aproximadamente 40 casos confirmados de dengue

qui, 10 de janeiro de 2019 05:52

Da Redação

A Secretaria de Estado de Saúde (SEE-MG) divulgou, no começo desta semana, o boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de dengue, febre chikungunya e zika, referentes ao ano de 2018. Conforme o documento foram registrados 29,8 mil casos prováveis de dengue em Minas Gerais, caracterizando 3,4 mil diagnósticos a mais em comparação com 2017.

Departamento de Zoonoses deve fazer novo LIRAa na próxima semana  **Divulgação

Departamento de Zoonoses deve fazer novo LIRAa na próxima semana
**Divulgação

 

Foram confirmados oito óbitos em cidades das regiões Centro-Oeste, Metropolitana e Triângulo Mineiro: Araújos, Arcos, Conceição do Pará, Lagoa da Prata, Moema, Contagem, Ituiutaba e Uberaba. Outras 14 mortes estão em investigação.

Em relação à febre chikungunya, o Estado registrou 11,7 mil casos prováveis, concentrados na região do Vale do Aço. Até o momento, foi confirmada uma morte pela doença, no município de Coronel Fabriciano, e outros dois óbitos estão em análise. E no caso da zika, foram notificados 184 casos prováveis, sem registro de óbito.

Em Araguari, de acordo com o coordenador do departamento de Zoonoses, Vicente de Paula Marques de Oliveira, não houve surto. Ao total, foram confirmados 40 casos de dengue; número que pode aumentar, pois há outros casos em análise. Segundo o boletim da SEE-MG, o município registrou 14 casos prováveis de febre chikungunya e nenhum de zika.

Em agosto houve o Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), que registrou 0,9%, sendo o índice aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS) até 1%. No final de outubro, com o início das chuvas, novo levantamento foi providenciado com índice de 2%, que significa médio risco. O coordenador afirma que o primeiro LIRAa deste ano será realizado na próxima semana, a partir do dia 14, de maneira que auxiliará no plano estratégico para combate das larvas.

Ademais, a equipe do departamento está intensificando ações de prevenção, até mesmo para que o próximo índice não seja alto. O coordenador relata que o departamento também enfrenta dificuldades devido à falta de repasse do Estado, o que inviabiliza ações mais consistentes. De qualquer forma, estão sendo desencadeadas outras atividades, principalmente em setores mais críticos, por exemplo, o bairro Miranda, como pequenos mutirões, bloqueios de transmissão, montagem de ovitrampas, visitas em casas abandonadas e terrenos baldios, recolhimento de pneus e palestras educativas.

“Esse período é bastante crítico. Então, volto a repetir a mesma história, é preciso que a população se conscientize e nos ajude nesse enfrentamento ao mosquito. É uma força-tarefa e precisamos da ajuda de todos, mais do que nunca, para eliminar possíveis criadouros. Cerca de 90% dos focos registrados nos últimos levantamentos estão dentro das residências; são tambores de água, pratinhos de plantas, vasilhas para animais, ou seja, locais de fácil acesso. São medidas simples que podem evitar um surto da doença”, adverte o coordenador.

 

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: