Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Espelho, espelho meu… Como faço para ser tão bela quanto elas?

qui, 30 de outubro de 2014 00:01
Campanha do projeto Compra Consciente da APP Uberlândia já
está sendo veiculada e trabalha o tema estereótipos de beleza

Por Marília Coelho

A Associação dos Profissionais de Propaganda – APP Uberlândia lança mais uma etapa do projeto Compra Consciente, dessa vez com o mote estereótipos versus realidade. Em seu histórico, o projeto já trabalhou temas como desperdício de alimentos, gestão de finanças pessoais, propaganda infantil, consumo alienado e privilégios de empresas.

Helen Novaes

Helen Novaes

A diretora da pasta de Responsabilidade Social da APP, Helen Novaes, e o diretor da Multiplica Comunicação Inteligente – agência responsável pelo planejamento e criação da campanha, Rômulo Guilherme, conversaram com a gente sobre o Projeto Compra Consciente.

Ares: Porque escolher o tema estereótipo para essa edição do projeto?
Helen Novaes: O objetivo da APP com a escolha do tema é conscientizar o público sobre os riscos da estereotipia e a construção da autoimagem baseada em pressões sociais. Doenças como anorexia, bulimia, depressão e outras mais, muitas vezes têm sua origem na busca de um padrão perfeito de beleza. Nós queremos refletir sobre os aspectos positivos e negativos impostos pelo imperativo da beleza. Todo mundo tem o direito de procurar ter uma aparência que satisfaça sua autoestima e o coloque de bem com a vida e consigo mesmo; mas o que a APP propõe é um debate sobre os excessos e absurdos cometidos quando o ser bonito supera o ser saudável.

Ares: Como funciona o projeto?
Helen: O projeto Compra Consciente faz parte do Núcleo de Responsabilidade Social e nasceu em 2011. Consumir com consciência e, acima de tudo, contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade crítica e responsável é o lema do projeto. Na época de sua criação, a APP reuniu seis agências da cidade para desenvolver o projeto destinado à população e, assim, minimizar o impacto que recai aos publicitários, por ser um setor altamente ligado ao consumo. Nessa edição do projeto, que já está em sua sexta etapa, a proposta é retratar os riscos da estereotipia e a ajudar a refletir e avaliar se realmente é necessário estar no padrão de beleza socialmente exigido para sermos saudáveis e felizes. A campanha conta com peças para televisão, rádio, outdoor, revista, jornal e peças para internet.

Ares: Qual o papel da mídia, em especial da comunicação publicitária, para esse tema?
Helen: Se formos parar para analisar, a responsabilidade de definir ou mesmo impor o que é beleza tem sido imputada à comunicação publicitária. O fato é que a indústria corporal encarrega-se de criar desejos e reforçar a imagem de padronização de corpos, por meio da mídia e isso faz com que as pessoas que estão fora desse padrão sintam-se cobradas e insatisfeitas. A cultura midiática comanda o imaginário social e espalha a imagem ideal com a qual todos nós devemos nos parecer para sermos aceitos e aprovados, mas ela também é uma ferramenta capaz de oferecer meios para que os indivíduos se sintam fortalecidos em sua oposição a estes modelos. E a propaganda, ao exercer seu papel de educadora, pode sim nos ajudar a refletir e avaliar: será que necessitamos estar no padrão de beleza socialmente exigido para sermos saudáveis e felizes?

Ares: Quais os desafios encontrados na produção dessa campanha?
Rômulo Guilherme: Embora os estereótipos façam parte do dia a dia das pessoas, não é fácil falar no assunto. Há muitas crenças e valores que circundam o tema.  Desta forma, a decisão foi abordar o tema de forma bem humorada para fazer com que o público pensasse a respeito, porém com leveza e inteligência. Outro grande desafio foi encontrar parceiros que acreditassem na ideia e que possuíssem a sensibilidade para transformar em produto final todo o conceito planejado e criado na agência, pois havia uma linha tênue entre humor e o esdrúxulo. Neste caso, foi muito importante a parceria com a Vertical Filmes e a Batuki, responsáveis pela produção de vídeo e áudio, respectivamente.

Ares: E qual foi a opção escolhida para trabalhar o tema, driblando esses desafios?
Rômulo: A opção foi levantar a discussão a partir dos padrões estabelecidos em torno da beleza, face mais visível para abordar o assunto e que fazem parte do cotidiano da sociedade moderna. Neste sentido, a linha criativa evidencia a comparação entre “antes e o depois”. Neste caso, o objetivo foi chamar a atenção para os perigos da beleza a qualquer preço.  De forma bem humorada o VT evidencia a transformação ocorrida na vida de uma mulher linda que, após uma série de intervenções, se vê com uma serie de imperfeições no seu visual, estimuladas pela busca da beleza perfeita e influenciadas pelos grupos de referência.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: