Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019
онлайн займ взять займ онлайн онлайн займы на карту микрозаймы на карту займ на карту срочно микрокредиты онлайн

Dia Nacional da Consciência Negra

qui, 20 de novembro de 2014 00:05

abertura de prosa com a ares
Por Cíntia Sousa

No dia 20 de novembro comemora-se o Dia Nacional da Consciência Negra. A data é em homenagem à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, localizado na Serra da Barriga, atual estado de Alagoas. Zumbi foi morto no ano de 1695, lutando pela liberdade da população escrava. A data foi estabelecida pela Lei 12.519/2011. E, para conhecermos um pouco mais sobre o dia da Consciência Negra, conversamos com o presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da OAB/Uberlândia, Dr. Adelício Marcelino da Costa.

Ares: Qual a importância de comemorarmos o Dia Nacional da Consciência Negra?
Adelício da Costa: O dia 20 de novembro é uma data que deve servir para reflexão sobre pontos de fundamental importância, tais como: avanços do povo negro, nestes 126 anos de “liberdade” (1888/2014), e foram muitos, considerando que os negros foram descartados das senzalas para os guetos e favelas, sem o mínimo para o início. Então, os negros começaram do negativo, porque sem empregos, marginalizados e com uma carga psicológica negativa de 300 anos. E hoje, apenas 126 anos depois, os negros estão estudando, ocupando os bancos universitários, ocupando cargos de relevância, a exemplo do Ministro Joaquim Barbosa. Sim, temos muito que comemorar, mas não podemos esquecer que temos muito ainda a fazer, por isso, a importância de comemorarmos o dia Nacional da Consciência Negra, conscientes do que já foi feito, mas, ainda mais conscientes do que podemos e vamos fazer.

Ares: Em que consiste a promoção da igualdade racial?
Adelício: A promoção de igualdade racial consiste em políticas públicas afirmativas em favor do povo negro, favorecendo-o a ponto de tornar sua condição igual a das demais raças brasileiras. Por ex.: a questão da educação. Ao mesmo tempo em que cultiva no negro a necessidade da educação, do conhecimento e da formação, também toma providências para possibilitar o seu acesso a escolas de qualidade e Universidades – aí temos como realidade as cotas para negros no ensino superior.

Ares: Há leis que amparam as pessoas que sofreram ou sofrem preconceito racial em nossa sociedade? Quais são?
Adelício: Sim, há diversas leis que protegem e amparam pessoas vítimas de preconceito, são elas:
A própria Constituição Federal de 1988, nos artigos: 3º inciso IV, 4º, inciso VIII, artigo 5º incisos  XLI e XLII, prevê:
Artigo 3º: Os objetivos fundamentais da República são:
IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação;

Artigo 4º: A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:
VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo;

Artigo 5º: Todos são iguais perante e lei, sem distinção de qualquer natureza;
XLI – a lei punirá qualquer discriminação atentatória aos direitos e liberdades fundamentais;
XLI I – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão.

A Lei nº 7.716 de 05 de janeiro de 1989, define os crimes de preconceito de raça ou de cor, etnia e religião.
O Parágrafo 3º no Artigo 140 do Código Penal Brasileiro define como crime de injúria real, que consiste na utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem, p.ex.: negro fedorento, macaco, etc.
O Código de defesa do consumidor, Lei 8.078 de 11/9/1990, no Artigo 37, parágrafo 2º, prevê: “É abusiva, dentre outras, a publicidade discriminatória de qualquer natureza (…).
O Estatudo da Criança e do Adolescente, Lei 8.069, de 13/7/1990 dispõe no Artigo 5º – Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, (…), punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão aos seus direitos fundamentais.
E a Lei 9.455 de 07/4/1997 -no Artigo 1º, inciso I, letra c: “Constitui crime de tortura:
I –constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental:
c) “em razão de discriminação racial ou religiosa”.

Assim, em nosso ordenamento jurídico há leis capazes de punir com rigor a discriminação e preconceito racial, não obstante, ainda há a negativa da sociedade brasileira da inexistência de preconceito.

Ares: Qual é o grande desafio para construirmos uma sociedade igualitária?
Adelício: Uma sociedade igualitária é quase que uma utopia, isto porque somente é possível com o amor que Cristo nos recomendou, “amar uns aos como a ti mesmo”, e nós, brasileiros ou não, estamos muito longe de alcançarmos esta virtude. E diante da dificuldade de alcançar uma sociedade igual, não resta a nós negros outra alternativa senão mantermos fortes e combativos a toda espécie de discriminação e preconceito, contribuindo com o que nos é possível nessa árdua caminhada.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário: